A IMPORTÂNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE CÂNCER DE MAMA.

Stefane Mira Marques, Cinira Assad Simão Haddad

Resumo


O câncer de mama é a maior causa de óbitos por câncer na população feminina no Brasil, principalmente na faixa etária entre 40 e 69 anos, As células cancerosas apresentam capacidade de invadir o tecido normal e de se disseminar para locais distantes (CAMARGO, MARX. 2000).

O câncer de mama está relacionado a vários fatores, entre eles estão a hereditariedade, paridade tardia, menopausa tardia, obesidade e menarca precoce. O conhecimento dos fatores prognósticos é de fundamental importância na determinação dos programas terapêuticos (ABREU,KOIFMAN, 2002).

Entre as técnicas cirúrgicas conservadoras estão a tumorectomia e quadrandectomia. A tumorectomia é a remoção do tumor sem margens de tecido circunjacente,sendo indicada para tumores de até um centímetro de diâmetro (BARROS et al, 2002).

A quadrandectomia é a remoção de um quadrante ou segmento da glândula mamária onde está localizado o tumor com margens cirúrgicas de tecido normal circunjacente de 2 a 2,5 centímetros, incluindo a aponeurose subjacente ao tumor, com ou sem segmento cutâneo, indicada para tumores com menos de três centímetros de diâmetro (FERREIRA et al, 2005).

A mastectomia é a retirada total ou parcial da mama, associada ou não à retirada dos gânglios linfáticos da axila (esvaziamento axilar), ela é divida em radical, simples, preventiva e radical modificada (FERREIRA et al, 2005).

As complicações provocadas pelo tratamento cirúrgico, qualquer que seja adotado, associado a dissecção axilar, podem chegar a 70 % e incluem hemorragias, lesões de nervos, infecções, necrose na pele,seroma, linfedema, distúrbios de cicatrização e disfunções sensitivas e motoras do ombro. Todas essas complicações são as principais causa de estresse emocional e prejuízo funcional das mulheres acometidas pelo câncer de mama (MARQUES; SILVA; AMARAL, 2011)

A prática de exercícios físicos relacionados com a reabilitação pós-cirúrgica, bem como a orientação destes, são intervenções importantes na assistência pós-operatória à mulher, pois têm como finalidade prevenir ou minimizar o linfedema ou perda de mobilidade no ombro (CAMARGO, MARX. 2000).

A reeducação da cintura escapular e do membro superior é uma necessidade básica para a paciente submetida à cirurgia por câncer de mama, seja qual for a técnica empregada. Seu objetivo principal é restabelecer o mais rapidamente possível a função do membro superior,além de atuar como fator preventivo à formação de cicatriz hipertrófica, aderências e linfedema de membro superior(SASAKI,LAMARI 1997).

A literatura disponível sobre o assunto é unânime em destacar a importância da realização de exercícios físicos a fim de prevenir essas complicações pós-operatórias,porém não existe consenso sobre quais exercícios são os mais indicados, a periodicidade da realização dos mesmos, e a duração do programa. Embora, na literatura consultada, haja consenso sobre a importância de um programa de exercícios pós-operatório com início precoce, com realização diária dos exercícios, de forma gradual e progressiva, respeitando os limites individuais das pacientes, há grande variabilidade entre os tipos de exercícios indicados, o número de repetições, e a duração total do programa( AMA et al 2005).

Os exercícios classificados pelos especialistas como indispensáveis exercícios para alongamento da região cervical,  flexão e abdução do ombro e relaxamento da região cervical, visto que a cirurgia,além de ocasionar a diminuição da ADM, pode levar a alterações posturais ( BRUNO et al 2000).

A realização da drenagem linfática no membro superior , no pós operatório imediato, deve ser evitada na presença de seroma, uma vez que sua formação se da em consequência  da incapacidade de reorganização imediata dos vasos linfáticos após a abordagem axilar (MARQUES; SILVA; AMARAL, 2011)

Mesmo após a recuperação da ADM, é importante manter a realização de exercícios para manutenção da mesma,

O câncer de mama é a maior causa de óbitos por câncer na população feminina no Brasil, principalmente na faixa etária entre 40 e 69 anos, As células cancerosas apresentam capacidade de invadir o tecido normal e de se disseminar para locais distantes (CAMARGO, MARX. 2000).

O câncer de mama está relacionado a vários fatores, entre eles estão a hereditariedade, paridade tardia, menopausa tardia, obesidade e menarca precoce. O conhecimento dos fatores prognósticos é de fundamental importância na determinação dos programas terapêuticos (ABREU,KOIFMAN, 2002).

Entre as técnicas cirúrgicas conservadoras estão a tumorectomia e quadrandectomia. A tumorectomia é a remoção do tumor sem margens de tecido circunjacente,sendo indicada para tumores de até um centímetro de diâmetro (BARROS et al, 2002).

A quadrandectomia é a remoção de um quadrante ou segmento da glândula mamária onde está localizado o tumor com margens cirúrgicas de tecido normal circunjacente de 2 a 2,5 centímetros, incluindo a aponeurose subjacente ao tumor, com ou sem segmento cutâneo, indicada para tumores com menos de três centímetros de diâmetro (FERREIRA et al, 2005).

A mastectomia é a retirada total ou parcial da mama, associada ou não à retirada dos gânglios linfáticos da axila (esvaziamento axilar), ela é divida em radical, simples, preventiva e radical modificada (FERREIRA et al, 2005).

As complicações provocadas pelo tratamento cirúrgico, qualquer que seja adotado, associado a dissecção axilar, podem chegar a 70 % e incluem hemorragias, lesões de nervos, infecções, necrose na pele,seroma, linfedema, distúrbios de cicatrização e disfunções sensitivas e motoras do ombro. Todas essas complicações são as principais causa de estresse emocional e prejuízo funcional das mulheres acometidas pelo câncer de mama (MARQUES; SILVA; AMARAL, 2011)

A prática de exercícios físicos relacionados com a reabilitação pós-cirúrgica, bem como a orientação destes, são intervenções importantes na assistência pós-operatória à mulher, pois têm como finalidade prevenir ou minimizar o linfedema ou perda de mobilidade no ombro (CAMARGO, MARX. 2000).

A reeducação da cintura escapular e do membro superior é uma necessidade básica para a paciente submetida à cirurgia por câncer de mama, seja qual for a técnica empregada. Seu objetivo principal é restabelecer o mais rapidamente possível a função do membro superior,além de atuar como fator preventivo à formação de cicatriz hipertrófica, aderências e linfedema de membro superior(SASAKI,LAMARI 1997).

A literatura disponível sobre o assunto é unânime em destacar a importância da realização de exercícios físicos a fim de prevenir essas complicações pós-operatórias,porém não existe consenso sobre quais exercícios são os mais indicados, a periodicidade da realização dos mesmos, e a duração do programa. Embora, na literatura consultada, haja consenso sobre a importância de um programa de exercícios pós-operatório com início precoce, com realização diária dos exercícios, de forma gradual e progressiva, respeitando os limites individuais das pacientes, há grande variabilidade entre os tipos de exercícios indicados, o número de repetições, e a duração total do programa( AMA et al 2005).

Os exercícios classificados pelos especialistas como indispensáveis exercícios para alongamento da região cervical,  flexão e abdução do ombro e relaxamento da região cervical, visto que a cirurgia,além de ocasionar a diminuição da ADM, pode levar a alterações posturais ( BRUNO et al 2000).

A realização da drenagem linfática no membro superior , no pós operatório imediato, deve ser evitada na presença de seroma, uma vez que sua formação se da em consequência  da incapacidade de reorganização imediata dos vasos linfáticos após a abordagem axilar (MARQUES; SILVA; AMARAL, 2011)

Mesmo após a recuperação da ADM, é importante manter a realização de exercícios para manutenção da mesma, uma vez que pode haver diminuição e comprometimento da função, quer seja por redução das atividades, ou pela realização de tratamentos adjuvantes,como radioterapia e quimioterapia (MARQUES; SILVA; AMARAL, 2011)

O trabalho foi desenvolvido para orientação das pacientes no pós-operatório sobre eficácia dos exercícios físicos imediato.

uma vez que pode haver diminuição e comprometimento da função, quer seja por redução das atividades, ou pela realização de tratamentos adjuvantes,como radioterapia e quimioterapia (MARQUES; SILVA; AMARAL, 2011)

O trabalho foi desenvolvido para orientação das pacientes no pós-operatório sobre eficácia dos exercícios físicos imediato.


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU E, KOIFMAN S. FATORES PROGNÓSTICOS NO CÂNCER DA MAMA FEMININA. REV BRAS CANCEROL 2002;48(1):113-31.

BARROS ACSD, BARBOSA EM, GEBRIM LH. PROJETO DIRETRIZES – DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DO CÂNCER DE MAMA. BRASÍLIA: ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA E CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA 2002. P. 1-15

BRUNO AA, MASIERO D, SECCO MFM, WASSERSTEIN S,CHAMLIAN TR. PADRONIZAÇÃO DE CONDUTA NA REABILITAÇÃO PÓS CÂNCER DE MAMA. J BRAS MED. 2000;78(5):86-92.

CAMARGO MC, MARX AG. REABILITAÇÃO FÍSICA NO CÂNCER DE MAMA. SÃO PAULO: EDITORA ROCA; 2000.

FERREIRA PCA, NEVES NM, CORREA RD, BARBOSA SD, PAIM C, GOMES NF, CASSALI GD. EDUCAÇÃO E ASSISTÊNCIA FISIOTERAPÊUTICA ÀS PACIENTES PÓS-CIRURGIA DO CÂNCER DE MAMA. IN: ANAIS DO 8° ENCONTRO DE EXTENSÃO DA UFMG; 2005 OUT 3-8; BELO HORIZONTE, MG.

MARQUES, ANDRÉA DE ANDRADE; SILVA, MARCELA PONZIO PINTO DA; AMARAL, MARIA TERESA PACE DO. TRATADO DE FISIOTERAPIA EM SAÚDE DA MULHER. SÃO PAULO: ROCA, 2011. 457 P.

PEREIRA AMA, VIEIRA EORY, ALCÂNTARA PSM. AVALIAÇÃO DE PROTOCOLO DE FISIOTERAPIA APLICADO A PACIENTES MASTECTOMIZADAS A MADDEN. REV BRAS CANCEROL. 2005;51(2):143-

SASAKI T, LAMARI NM. REABILITAÇÃO FUNCIONAL PRECOCE PÓSMASTECTOMIA. HB CIENTÍCA 1997; 4(2):121-7


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 31 de maio
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 31 de agosto
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 30 de novembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.