SÍFILIS: ASPECTOS CLÍNICOS, EPIDEMIOLÓGICOS E DIAGNÓSTICOS NO BRASIL

ÉRICA ENDO AMEMIYA, Luiz Henrique Gagliani

Resumo


As doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) estão entre as primeiras dez doenças em adultos jovens do sexo masculino em países desenvolvidos e a segunda maior causa de doenças em adultos jovens mulheres. Jovens adultos e adolescentes (15-24 anos) correspondem a 25% da população sexualmente ativa, porém representa 50% das doenças sexualmente transmissíveis. Deve-se ressaltar que as DSTs causam sérias conseqüências no âmbito da saúde e na economia de
um pais. Assim, um adequado mapeamento para essas doenças deve ser feito para a rotina diária em todo o mundo, pois muitas DSTs são assintomáticas e por esse motivo tornam-se de difícil controle, entre elas, a sífilis. Assim como nos Estados Unidos, no Brasil, a sífilis persiste sendo um problema de saúde pública, em especial no grupo materno-infantil, prioritário na política do Ministério da Saúde do Brasil. A partir da década de 60, observou-se uma tendência mundial de aumento dos casos dessa enfermidade entre a população. Pacientes que tem sífilis devem procurar tratamento desde os primeiros sinais ou sintomas em qualquer estágio da doença. A infecção primária é caracterizada por úlcera não purulenta; infecção secundária apresenta rash cutâneo, lesões mucocutâneas, linfadenopatia e infecções latentes. Estas só são detectadas a partir de testes sorológicos. A sífilis é uma doença sexualmente transmissível causada pelo Treponema pallidum e
apresenta alta variedade clínica durante seu desenvolvimento. Além de causar complicações significativas se retardar o tratamento, facilitando a transmissão de HIV. Isso ocorre em aproximadamente 40% das gestantes que sofrem aborto por não tratar a doença precocemente. No caso dos Estados Unidos, por exemplo, os relatos de sífilis diminuíram nos anos 90. Em 2000, a taxa era a menor desde 1941. Entre 1990 e 2000, a taxa de sífilis 1ª e 2ª caiu 89,7%. Porem, entre 2001 e 2005 essa taxa aumentou, principalmente no sexo masculino e entre jovens. Em 2010, pela primeira vez em dez anos, a taxa de sífilis aumentou. Apesar da taxa não ter mudado em 2011, ela aumentou 22% de 2011 a 2013. Dessa forma, através de medidas profiláticas como educação, diagnóstico e tratamento são fundamentais para melhor controle da sífilis, na população.

Palavras-chave: Sífilis; Treponema pallidum; Doença sexualmente transmissível; Epidemiologia; Diagnóstico.


Texto completo:

PDF

Referências


Boletim Epidemiologico de Sifilis. Ano IV, no. 1. 2015.

Centers for Disease Control and Prevention. Sexually Transmitted Disease Surveillance 2013. Atlanta: U.S.

Department of Health and Human Services; 2014.

SIFILIS: Departamento de DST, AIDS e Hepatite Viral, 2015

TABISZ, L.et al. Sífilis, uma doença reemergente. Rev Med Res., v. 14, n. 3, p. 165-172; 2012.

São Paulo, Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids. GUIA DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS E PROGRAMÁTICAS PARA AS AÇÕES DO PLANO DE ELIMINAÇÃO DA SÍFILIS CONGÊNITA & S. São Paulo, 2010. 196 p. Transmissão Vertical do HIV/Sífilis ISBN: 978-85-99792-06-3.

WEINSTOCK, H; BERMAN, S; CATES, W.J.R. Sexually transmitted diseases among American youth: incidence and prevalence estimates, 2000. Perspect Sex Reprod Health. Jan-Feb;36(1):6-10; 2004


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 30 de junho
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 30 de setembro
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 31 de dezembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.