PESQUISA DO ANTÍGENO LUTHERAN A NOS PACIENTES COM ANEMIA FALCIFORME DO NÚCLEO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DE SANTOS/SP

Jordana Cardoso Pinella, Rosângela Maria dos Santos, Eliana Claudia Perroud Morato Ferreira

Resumo


A Anemia Falciforme é uma hemoglobinopatia que ocorre após uma mutação no cromossomo 11, em que há uma troca de ácido glutâmico por valina, gerando uma hemoglobina defeituosa chamada de HbS. Atualmente, estima-se que a cada ano surjam cerca de 700 a 1000 novos casos e que aproximadamente 5 a 6% da população brasileira possui o gene anormal.  A HbS possui propriedades físico-químicas diferentes da HbA (normal) além da sua forma em foice, levando a algumas complicações, dentre elas a principal e mais frequente é a vaso-oclusão. Estudos demonstram que as glicoproteínas Lu e B-CAM, expressas não só nos eritrócitos, mas em outros tecidos, podem estar associadas com as crises vaso-oclusivas em pacientes com anemia ou doença falciforme, pois a adesão das hemácias com a alfa 5 laminina endotelial ocorre através destas glicoproteínas. Tais proteínas expressam 18 antígenos do sistema de grupo sanguíneo Lutheran e são codificadas pelo gene LU localizado no cromossomo 19. Os eritrócitos falcizados expressam mais da metade das glicoproteínas Lu e B-CAM, sendo que a interação dessas proteínas com a laminina resulta na adesão dos eritrócitos ao endotélio vascular, gerando a vaso-oclusão. Portanto, o estudo teve como objetivo a pesquisa do antígeno Lutheran A em pacientes com anemia falciforme do Núcleo de Hematologia e Hemoterapia de Santos/SP. Para a pesquisa, foi utilizada uma alíquota de sangue total dos pacientes que fazem acompanhamento ambulatorial no NHHS, no período de abril a outubro de 2015 e foram realizados testes de hemaglutinação a partir da suspensão de hemácias lavadas, utilizando anticorpos anti-LuA e posteriormente realizando o Teste de Antiglobulina Humano Indireto. No presente estudo foram analisadas 24 amostras, das quais 12,5% (n.3) apresentaram resultado reagente para o antígeno Lutheran A, sendo que 58,3% (n.14) eram provenientes de mulheres e 41,7% (n.10) de homens. A idade dos pacientes avaliados variou de 4 a 48 anos, sendo 26 anos a média etária entre eles. Após a análise dos prontuários, foi observado que os pacientes que apresentaram resultado reagente para o antígeno Lutheran A, possuíam poucas crises álgicas e de grau leve, ocorrendo melhora após administração de analgésicos. Os demais pacientes apresentaram, em sua maioria, além de fortes crises álgicas, sintomas como febre, edema, cefaleia intensa, infecções crônicas e fraqueza. Concluiu-se que a presença de Lutheran A não é fator determinante para que ocorram crises álgicas intensas, pois há outros inúmeros fatores envolvidos no processo de vaso-oclusão. A idade e o sexo não foram fatores determinantes para avaliar a frequência dos episódios de crise vaso-oclusiva e nem a sua intensidade.

Palavras-chave: Anemia Falciforme. Lutheran. Vaso-oclusão.


Texto completo:

PDF

Referências


AAFESP, Associação de Anemia Falciforme do Estado de São Paulo. Conceito de Anemia Falciforme. 2007. Disponível em: . Acesso em: 05 maio 2015.

ALVES, Vítor Mendonça. Frequência de Aloanticorpos Irregulares Antieritrocitários em Receptores de Concentrados de Hemácias Atendidos com Emergências Médicas e/ou com Doenças Agudas no Hospital de Clínicas da UFTM. 2010. 83 f. Tese (Mestrado) - Curso de Patologia Clínica, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, 2010. Disponível em: . Acesso em: 29 ago. 2015.

AMARAL, Elmo Eduardo de Almeida; ANDRADE NETO, Valter Viana de. Bioquímica eritrocitária. In: OLIVEIRA, Maria Beatriz Siqueira Campos de; RIBEIRO, Flávia Coelho; VIZZONI, Alexandre Gomes. Conceitos básicos e aplicados em imuno-hematologia. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, 2013. Cap. 11, Disponível em: . Acesso em: 07 out. 2015.

BATISTA, Amanda; ANDRADE, Tania Cristina. Anemia falciforme: um problema de saúde pública no Brasil. Universitas Ciências da Saúde, Brasília, v. 3, n. 1, p.83-99, set. 2005. Disponível em: . Acesso em: 06 out. 2015.

BONIFÁCIO, Silvia L.; NOVARETTI, Marcia C. Z.. Funções biológicas dos antígenos eritrocitários. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, São Paulo, v. 31, n. 2, p.104-111, jan. 2009. Disponível em: . Acesso em: 02 maio 2015.

BRAGA, Josefina A. P.. Medidas gerais no tratamento das doenças falciformes. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, São Paulo, v. 3, n. 29, p.233-238, ago. 2007. Disponível em: . Acesso em: 05 out. 2015.

BRUNETTA, Denise M. et al. Manejo das complicações agudas da doença falciforme. Revista da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, v. 3, n. 43, p.231-237, out. 2010. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2015.

CAVALCANTI, Juliana Manzoni; MAIO, Marcos Chor. Entre negros e miscigenados: a anemia e o traço falciforme no Brasil nas décadas de 1930 e 1940. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, p.377-406, jun. 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2015.

FERRAZ, Maria Helena C.; MURAO, Mitiko. Diagnóstico laboratorial da doença falciforme em neonatos e após o sexto mês de vida. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, Belo Horizonte, v. 3, n. 29, p.218-222, jan. 2007. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2015.

FIGUEIREDO, Anne Kelly Bezerra de et al. ANEMIA FALCIFORME: ABORDAGEM DIAGNÓSTICA LABORATORIAL. Ciência Saúde Nova Esperança, Juazeiro do Norte, v. 1, n. 12, p.96-103, jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 07 ago. 2015.

HINES, Patrick C. et al. Novel epinephrine and cyclic AMP-mediated activation of BCAM/Lu-dependent sickle (SS) RBC adhesion. Blood Journal. Durham, p. 3281-3287. abr. 2003. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2015.

JARA, Eric; GUTIÉRREZ, Cristian. Grupo sanguíneo Lutheran. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2015.

LEÃO, Jairo. Anemia Falciforme. 2013. Disponível em: . Acesso em: 06 out. 2015.

LOGGETTO, Sandra R et al. Alterações imunológicas em pacientes com anemia falciforme. Revista Brasileira de Alergia e Imunopatologia, São Paulo, v. 3, n. 22, p.77-82, jun. 1999. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2015.

MACIASZEK, Jamie L. et al. AKAP-Dependent Modulation of BCAM/Lu Adhesion on Normal and Sickle Cell Disease RBCs Revealed by Force Nanoscopy. Biophysical Journal. Connecticut, p. 1258-1267. fev. 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2015.

MANFREDINI, Vanusa et al. A FISIOPATOLOGIA DA ANEMIA FALCIFORME. Infarma, Porto Alegre, v. 1/2, n. 19, p.3-6, maio 2007. Disponível em: . Acesso em: 07 out. 2015.

MESIANO, Carlos Alexandre Monteiro. ANEMIA FALCIFORME FUNDAMENTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS. 2001. 39 f. TCC (Graduação) - Curso de Ciências Biológicas, Centro Universitário de Brasília - Faculdade de Ciências da Saúde, Brasília, 2001. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2015.

NAOUM, Flávio Augusto. Doença Falciforme: Manifestações clínicas da doença falciforme e tratamento específico. Disponível em: . Acesso em: 06 out. 2015.

NAOUM, Paulo Cesar. Doença dos Eritrócitos. Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2015.

NAOUM, Paulo Cesar; NAOUM, Flávio Augusto. Doença Falciforme: A falcização. Disponível em: . Acesso em: 06 out. 2015.

NOGUEIRA, Kerlem Divina Alves; SILVA, Willy Deivson Leandro da; PAIVA, Sabrina Guimarães. Diagnóstico Laboratorial da Anemia Falciforme. Revista Científica do Itpac, Araguaína, v. 6, n. 4, p.05-09, out. 2013. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2015.

NUZZO, Dayana V. P. di; FONSECA, Silvana F.. Anemia falciforme e infecções. Jornal de Pediatria. Rio de Janeiro, p. 347-354. mar. 2004. Disponível em: . Acesso em: 07 out. 2015.

OLIVEIRA, Edilberto Antonio Souza de. Anemia Falciforme. 2009. Disponível em: . Acesso em: 06 out. 2015.

SALA, Danilo. O que é anemia falciforme? 2011. Disponível em: . Acesso em: 06 out. 2015.

SANTOS, Djalma. Mutação Gênica. 2011. Disponível em: . Acesso em: 06 out. 2015.

VIEIRA, Ana Karine et al. Anemia falciforme e suas manifestações respiratórias: Pulmonary manifestations of sickle cell disease. Rev Med Minas Gerais, Minas Gerais, v. 4, n. 20, p.5-53, jul. 2010.

VIZZONI, Alexandre Gomes; COTIAS, Paulo Marcelo T.. Imuno-hematologia eritrocitária. In: OLIVEIRA, Maria Beatriz Siqueira Campos de; RIBEIRO, Flávia Coelho; VIZZONI, Alexandre Gomes. Conceitos básicos e aplicados em imuno-hematologia.Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, 2013. Cap. 65, p. 78. Disponível em: . Acesso em: 07 out. 2015.

WATANABE, Alexandra Mitiru. PREVALÊNCIA DA ANEMIA FALCIFORME NO ESTADO DO PARANÁ. 2007. 122 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Medicina, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2015.

ZAGO, Marco Antonio; PINTO, Ana Cristina Silva. Fisiopatologia das doenças falciformes: da mutação genética à insuficiência de múltiplos órgãos. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, Ribeirão Preto, v. 3, n. 29, p.207-214, set. 2007. Disponível em: . Acesso em: 07 out. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 30 de junho
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 30 de setembro
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 31 de dezembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.