PRINCIPAIS ANTI-HIPERTENSIVOS E SUAS INTERFERÊNCIAS LABORATORIAIS IN VIVO E IN VITRO

Manuela Rodrigues Barbosa, Fabiana Gaspar Gonzalez, Thiago De Arruda Souza

Resumo


O laboratório clínico tem como principal objetivo a determinação de resultados exatos e precisos, oferecendo, assim, laudos confiáveis aos médicos e posteriormente aos pacientes. Porém, alguns fármacos exercem ações ou efeitos in vivo (biológicos) e/ou  in vitro (analíticos) sobre os exames laboratoriais. A hipertensão arterial sistêmica tem uma alta prevalência em todo mundo, sendo que só no Brasil atinge aproximadamente 30 milhões de pessoas, logo, ela é classificada como um importante problema de saúde pública que merece atenção no seu tratamento. Por ser uma doença crônica, a hipertensão deve ser controlada ao longo da vida, principalmente, com o uso de anti-hipertensivos. Entretanto, tais drogas são uma das classes terapêuticas que mais causam interferências laboratoriais. Diante do exposto, o presente trabalho teve como objetivo avaliar o potencial de interferência analítica e/ou biológica dos fármacos anti-hipertensivos mais utilizados na terapêutica em exames laboratoriais, principalmente os mais realizados dentro da rotina laboratorial, através de uma revisão bibliográfica em publicações e artigos científicos. Foram verificadas as interferências do inibidor da enzima conversora de angiotensina (Captopril®); do antagonista do receptor de angiontensina II (Losartana®), do β-bloqueador (Propranolol®) e do agente simpaticolítico de ação central (®Metildopa) nos exames laboratoriais. Sendo possível observar que esses anti-hipertensivos causaram muitas alterações nos parâmetros laboratoriais, sendo a maioria por interferência in vivo. Com base no pesquisado verificou-se que não se sabe ainda ao certo o mecanismo pelo qual alguns fármacos causam a interferência e nem o quanto isso pode intervir no tratamento e acompanhamento do paciente, demonstrando a necessidade de mais estudos, principalmente a longo prazo, nesta área.

 

PALAVRAS-CHAVE: anti-hipertensivos, interferências, exames laboratoriais.



Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Renato J. et al. Ausência de efeito do captopril no metabolismo de uma emulsão lipídica artificial semelhante aos quilomícrons em pacientes hipertensos e hipercolesterolêmicos. Arq. Bras. Cardiol., São Paulo, v. 83, n. 6, p.508-511, dez. 2004.

COLOMBELI, Adriana Scotti da Silva. AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE INTERFERÊNCIA ANALÍTICA DE FÁRMACOS NA ANÁLISE QUÍMICA DO EXAME DE URINA. 2006. 154 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Farmácia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁIRA. FURP-METILDOPA. [s.i], 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2015.

GIACOMELLI, L. R. B.; PEDRAZZI, A. H. P. Interferência dos medicamentos nas provas laboratoriais de função renal. Arquivos de Ciências da Saúde da Unipar, p. 79-86, 2001.

GOODMAN, Louis Sanford; GILMAN, Alfred. As Bases Farmacológicas da TEREPÊUTICA. 11. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010. 1844 p.

GRAF, Hans; CARVALHO, Gisah Amaral. Fatores Interferentes na Interpretação de Dosagens Laboratoriais no Diagnóstico de Hiper e Hipotireoidismo. ArqBrasEndocrinolMetab, Curitiba, v. 46, n. 1, p.51-64, fev. 2002

MOTA, Licia Maria Henrique da et al. Lúpus Induzido por Drogas – Da Imunologia Básica à Aplicada. RevBrasReumato,BrasÍlia, v. 47, n. 6, p.431-437, nov. 2007. Bimestral.

OIGMAN, Wille. Hipertensão arterial: quando o inibidor da enzima de conversão angiotensina (ECA) está indicado? Revista Brasileira de Medicina, [s.i], v. 58, n. 1/2, p.1-2, jan. 2001.

SANTOS, Fernanda Bernardes Fernandes; BALZANELI, Estela Silva; D’ANDRADE, Márcia Regina Pessoa. Avaliação do perfil lipídico de pacientes diabéticos e hipertensos tratados com captopril. J BrasPatolMedLab, São Paulo, v. 45, n. 3, p.207-212, jun. 2009.

SANTOS, Luciana D.; TORRIANI, Mayde S.; BARROS, Elvino. Medicamentos na prática da farmácia clínica. Porto Alegre: Artmed, 2013.

SILVA, Adriana Scotti da. Avaliação da interferência analítica de fármacos na determinação de proteínas e cetonas no exame químico de urina – estudos in vitro e in vivo. 2012. 116 f. Tese (Doutorado) - Curso de Farmácia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 30 de junho
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 30 de setembro
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 31 de dezembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.