A PERCEPÇÃO DOS ENFERMEIROS FRENTE À CRIANÇA DEFICIENTE AUDITIVA SOB OLHAR DO GRADUANDO DE ENFERMAGEM A PERCEPÇÃO DOS ENFERMEIROS FRENTE À CRIANÇA DEFICIENTE AUDITIVA SOB OLHAR DO GRADUANDO DE ENFERMAGEM

Sandro Vidal Silva, Fernanda Matilde Gaspar Dos Santos

Resumo


A surdez representa uma condição crônica de saúde, quando atinge uma criança acarreta em prejuízos no desenvolvimento da mesma; para a família, isso é visto como um desafio, a partir a descoberta da surdez como vão cuidar dessa criança e suprir todas as suas necessidades, onde a mãe neste contexto se torna super protetora. Quando essa criança apresenta algum problema de saúde e precisa ser hospitalizada, o enfermeiro enfrenta alguns desafios na pratica assistencial, pois um dos principais instrumentos de avaliação que é a comunicação verbal está prejudicado. O presente trabalho teve como objetivo principal compreender as vivências dos enfermeiros na prestação da assistência á criança com deficiência auditiva. A metodologia adotada teve caráter exploratório descritivo com análise qualitativa e quantitativa, onde foram gravadas e descritas na íntegra as entrevistas feitas com os enfermeiros após autorização da gerência de enfermagem da instituição e parecer favorável do CEP da Fundação Lusíada, tendo como ferramenta um questionário com perguntas abertas e fechadas. Os sujeitos da pesquisa foram 5 enfermeiros que trabalham na instituição em estudo na unidade de internação pediátrica . Após várias leituras na descrição das falas e reconhecimento dos significados através da analise de conteúdo emergiram  três temas principais: 1 - Percebendo a dificuldade da comunicação com a criança deficiente auditiva; onde as enfermeiras relatam suas principais dificuldades na assistência a criança deficiente;  2 - A família como facilitador na comunicação da criança com o enfermeiro, como a família ajudou o enfermeiro na prestação da assistência, auxiliando na aproximação com a criança e comunicação; 3 - Adaptações da criança e da família no ambiente hospitalar, como se deu a adaptação no ambiente novo e no primeiro momento ameaçador para criança e sua família. Os resultados da pesquisa apresentaram que os enfermeiros não estão preparados para lidar com uma situação diferente do habitual, que é ter uma criança deficiente auditiva na unidade, pois não tiveram LIBRAS na graduação, essa que se faz importante por ser a primeira língua utilizada pelos surdos, por conta disso se depara com dificuldades na prestação da assistência, recorrendo - se a família, tendo como sua aliada, para facilitar a comunicação com a criança e assim prestar uma assistência de qualidade. Conclui – se que a deficiência auditiva na criança representa atrasos na linguagem e aprendizado, e se essa criança é internada, o enfermeiro encontra algumas barreiras na prestação da assistência, mas os resultados mostraram que a inclusão do contexto familiar durante a hospitalização da criança auxilia o enfermeiro a presta uma assistência de qualidade, mesmo não tendo o curso de LIBRAS. Novas pesquisas com essa temática irão contribuir com assistência a criança deficiente auditiva e suas famílias. 

 

Palavras – Chaves: Enfermeiro; Criança Deficiente Auditiva; Família 


Texto completo:

PDF

Referências


MONTEIRO, Claudete Ferreira de Souza et al. Suspeita da perda auditiva por familiares. Revista Cefac, Piauí, v. 3, n. 11, p.486-493, nov. 2009. Dsponível . Acesso em: 03 nov. 2014

MURAKAMI, Rose; CAMPOS, Claudinei José Gomes. Importância da relação interpessoal do enfermeiro com a família de criança hospitalizada. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasilia, v. 64, n. 2, p.01-14, mar. 2011. Disponível. Acesso em: 04 ago. 2015.

OLIVEIRA, Herina Rodrigues de; LOPES, Keylla Silva; PINTO, Neila Maria de Morais. Percepção da equipe de enfermagem acerca da assistência prestada ao deficiente auditivo. Enfermagem Integrada, Ipatinga, v. 2, n. 1, p.165-175, jul. 2009. Disponível em. Acesso em: 16 out. 2014.

SANTOS FILHO, Genivaldo Oliveira; OLIVEIRA, Rozilda Ramos dos Santos. Os desafios na comunicação entre os surdos e a família. Educação, Tiradentes, v. 2, n. 2, p.01-15, jan. 2010.Disponível em: . Acesso em: 04 ago. 2015.

VIEIRA, Andrêza Batista Cheloni; MACEDO, Luciana Resende de; GONÇALVES, Denise Utsch. O diagnóstico da perda auditiva na infância. 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2014.

VIEIRA, Sheila de Souza et al. Descoberta da deficiência auditiva pela família: vendo o futuro idealizado desmoronar. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 25, n. 2, p.10-20, out. 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2014


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 31 de maio
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 31 de agosto
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 30 de novembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.