AVANÇOS NO PROCESSO DE TRATAMENTO DA TETRALOGIA DE FALLOT

Airam Roggero dos Santos Silva, Felipe Dias da Silva, Maria Cláudia Monteiro de Moura, Rafaela Menezes Santos, Thiago Rinaldi Luna, Frederico Kauffmann Barbosa

Resumo


Tetralogia de Fallot é uma patologia cardíaca com uma má formação congênita composta por quatro elementos: comunicação interventricular, desalinhamento da artéria aorta para a direita, obstrução do ventrículo direito e hipertrofia do mesmo, tendo leves alterações de paciente para paciente pois pode estar agregada a outras anomalias e defeitos ou a outras síndromes o que complica o diagnóstico efetivo. A cardiopatia dificulta a oxigenação para o corpo, o sangue pobre em oxigênio não consegue atingir os pulmões em quantidade suficiente para retornar oxigenado para o lado esquerdo do coração. Assim o sangue que circula através do corpo não é suficientemente oxigenado fazendo com que a criança apresente cianose, coloração azul-arroxeada (bebês azuis), ainda na infância. Com o decorrer do tempo, o organismo se acomoda a essas condições formando novos vasos sanguíneos. O objetivo desse estudo foi a busca no entendimento da síndrome T4F e proporcionar novas pesquisas sobre esse tema. Para diagnosticar efetivamente pacientes portadores de tetralogia de Fallot é necessária a presença de comunicação interventricular grande e não restritiva que mantém a pressão dos ventrículos iguais, e um estreitamento do Tronco Pulmonar. Nos casos em que o Cardiopediatra ou Cardiologista indica a cirurgia, dependendo da idade do paciente e gravidade da doença, pode ser corretiva ou paliativa. Esta é pertinente em crianças recém-nascidas e lactantes até seis meses de vida e a cirurgia corretiva é recomendada para pacientes maiores. Na Tetralogia de Fallot mesmo após a operação ainda há risco de volta (danificando o trabalho cirúrgico) ou acabar acarretando outros problemas em outros sistemas anatômicos adjacentes.


Palavras-chave


cardiopatias congênitas; tetralogia de fallot; t4f; síndrome; cirurgias cardíacas, hipóxia

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 31 de maio
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 31 de agosto
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 30 de novembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.