PREVALÊNCIA DE SIBILÂNCIA RECORRENTE E FATORES ASSOCIADOS EM LACTENTES DE CRECHES MUNICIPAIS DE SANTOS

Betina Linardi Espinosa, Maria Célia Cunha Ciaccia

Resumo


O objetivo desse estudo é verificar a prevalência de sibilância em lactentes e os seus fatores associados em creches municipais da cidade de Santos. Trata-se de um estudo transversal realizado no período de Abril a Dezembro de 2019 utilizando a aplicação de questionário do EISL- Estudo Internacional de Sibilância no Lactente- versão portuguesa, aos responsáveis das crianças. Foram mensurados o peso e o comprimento dos lactentes, para cálculo do índice de Massa corporal (IMC). A amostra calculada foi 216 lactentes com um erro aceitável de 5,3%, frequência esperada de 26,7% e nível de confiança de 95%. A média de idade dos lactentes foi de 18, 8 meses (DP= 5,2). A prevalência geral de pelo menos um episódio de sibilância no primeiro ano de vida foi de 47,7%. Os lactentes que frequentam a creche e os que iniciaram a creche com menos de seis meses de idade tiveram percentuais maiores de ter pelo menos um episódio de sibilância no primeiro ano de vida. A mãe que não fuma, familiar com asma e rinite, não ter carpete em casa e cujas mães possuem escolaridade igual ou superior a 12 anos se associou significantemente com ter pelo menos um episódio de sibilância no primeiro ano de vida. Os lactentes com três ou mais resfriados no primeiro ano de vida, ou que tiveram o primeiro resfriado com menos de seis meses de vida, ou que tiveram pneumonia tiveram maiores percentuais de pelo menos um episódio de sibilância no primeiro ano de vida. Os lactentes do sexo masculino e com familiar com rinite tiveram maiores percentuais de apresentar sibilância recorrente no primeiro ano de vida do que o sexo feminino. Os lactentes que tiveram sibilância recorrente no primeiro ano tiveram maiores percentuais de sibilância recorrente no segundo ano de vida. Conclui-se que os lactentes que tiveram sibilância recorrente no primeiro ano tiveram maiores percentuais de sibilância recorrente no segundo ano de vida. Os lactentes do sexo masculino e com familiar com rinite tiveram maiores percentuais de apresentar sibilância recorrente no primeiro ano de vida.

PREVALENCE OF RECURRENT WHEEZING AND ASSOCIATED FACTORS IN INFANTS FROM MUNICIPAL DAYCARE CENTERS IN SANTOS

The study’s purpose is to verify wheezing prevalence in infants and its associated factors in municipal daycare centers in Santos, Brazil. This is a cross-sectional study carried out from April to December 2019 applying the International Study of Wheezing in Infants’ questionnaire to the children’s guardians. Infants’ weight and length were measured to calculate the Body Mass Index (BMI). The calculated sample was 216 infants with an acceptable error of 5,3%, expected frequency of 26,7% and confidence level of 95%. The average age of infants was 18,8 months (SD= 5,2). The overall prevalence of at least one episode of wheezing in the first year of life was 47,7%. Infants attending daycare and those who started daycare before six months of age had higher percentages of having at least one episode of wheezing in the first year of life. Nonsmoking mother, asthma and rhinitis family history, not having carpet at home and whose mother have over 12 schooling years was significantly associated with having at least one episode of wheezing in the first year of life. Infants that had three or more colds in the first year of life, or who had their first cold before six months old, or who had pneumonia had higher percentages of at least one episode of wheezing in the first year of life. Male infants and those with a relative with rhinitis had higher percentages of recurrent wheezing in the first year of life than females. Infants who had recurrent wheezing in the first year had higher percentages of recurrent wheezing in the second year of life. It is concluded that infants who had recurrent wheezing in the first year had higher percentages of recurrent wheezing in the second year of life. Male infants and those with a relative with rhinitis had a higher percentage of recurrent wheezing in the first year of life.


Palavras-chave


sibilância; lactente; fatores associados

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 31 de maio
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 31 de agosto
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 30 de novembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.