CARACTERÍSTICAS DO TREINAMENTO E ASSOCIAÇÃO DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS.

Carlos André Souza, Cristiane dos Santos, Flávia Alves de Oliveira Aquino, Maria de Lourdes Caldas Barbosa, Rafaela Baggi Prieto Alvarez, Tiene Teixeira Turienzo, Marcus Vinícius Gonçalves Torres Azevedo, Avelino Ribeiro Buongermino

Resumo


Entender melhor o perfil dos corredores recreacionais e quais fatores estariam associados com lesões musculoesqueléticas nessa população pode auxiliar na implementação de estratégias de prevenção com uma abordagem multidisciplinar em que a participação de fisioterapeutas, médicos, treinadores físicos, e outros profissionais da saúde possibilite ações mais eficazes para a redução das lesões musculoesqueléticas dessa enorme população de praticantes de corrida. O objetivo deste estudo foi investigar possíveis associações entre as características do treinamento, mais especificamente o volume de treino em KM por semana com as lesões musculoesqueléticas em corredores dos 10 KM Tribuna FM-UNILUS. Trata-se de um estudo do tipo transversal. Para a coleta dos dados, foi elaborado um questionário com base nos objetivos do estudo, que foi aplicado por alunos do curso de graduação de fisioterapia no stand de fisioterapia do UNILUS logo após o encerramento da prova. Participaram da pesquisa 197 pessoas, sendo, 142 (72,1%) homens e 55 (27,9%) mulheres. Entre todos os participantes, 43 (21,8%) eram caminhantes e foram excluídos da pesquisa. Com isso restaram, 115 (74,67%) corredores do sexo masculino e 39 (25,33%) do sexo feminino. No total foram identificados 57 (37,02%) corredores com lesão musculoesquelética e 97 (62,98%) sem lesão, sendo que, no grupo com lesão, 49 (31,82%) são corredores do sexo masculino e 8 (5,20%) do sexo feminino. Entre os corredores sem lesão, 66 (42,85%) são do sexo masculino e 31(20,13%) feminino. A média de idade entre o grupo de corredores com lesão foi de ± 44,4 anos e no grupo de corredores sem lesão a média de idade foi de ± 40,2 anos. A média de tempo de prática de corrida variou entre ± 10,6 anos no grupo com lesão e ± 7,19 anos no grupo sem lesão. A média de quilômetros percorridos por semana variou de 39,9 km no grupo com lesão e 31,3 km no grupo sem lesão. Todas as características pesquisadas neste estudo apresentaram de forma descritiva associações com lesões musculoesqueléticas relacionadas à corrida.


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BENNELL, K. J; CROSSLEY, K. Musculoskeletal injuries in track and field: incidence, distribution and riskfactors. Australian Journal of Science and Medicine in Sport. p. 69-75. 1996.

BORIN, S. H. Incidência de lesões esportivas nos atletas de Piracicaba, em diferentes modalidades, ocorrida nos Jogos Regionais de Lins- 2008. 6ª Amostra Acadêmica UNIMEP. 6º Simpósio de Ensino de Graduação. Universidade Metodista de Piracicaba.

FERREIRA, A. C. et al. Prevalência e fatores associados a lesões em corredores amadores de rua do município de Belo Horizonte, MG. Rev Bras Med Esporte [online]. 2012, vol.18, n.4, pp. 252-255. ISSN 1517-8692.

FREDERICSON M; MISRA A. K. Epidemiology and an etiology of marathon running injuries. Sports Med 2007;37(4- 5):437-9.

FUZIKI, M. K. Corrida de rua: fisiologia, treinamentos e lesões. Ed. Phorte. São Paulo, 2012.

GUEDES JR, D. P. Prefácio. In: EVANGELISTA, A. L. Treinamento de força e flexibilidade aplicado à corrida de rua: Uma abordagem prática. São Paulo: Phorte, 2011. 200p.

HESPANHOL JR, L. C. et. al. Perfil das características do treinamento e associação com lesões muscuesqueléticas prévias em corredores recreacionais: Um estudo transversal. Rev Bras Fisioter, São Carlos, v. 16, n. 1, p. 46-53, jan./fev. 2012.

HINO, A. A. F. et al. Prevalência de Lesões em Corredores de Rua e Fatores Associados.Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Curitiba, v. 15, n. 1, p.36-39, 2008.

MACHADO, A. F. Corrida: Bases científicas do treinamento. 1ª ed. 406 p. Ícone Editora. São Paulo. 2011.

MARTI, B; KNOBLOCH, M; TSCHOPP, A; JUCKER, A; HOWARD, H. Is excessive running predictive of degenerative hip disease? Controlled study of former elite athletes. Brit Med J 1989;299(8):91-93.

PAZIN, J et al. Corredores de rua: Características demográficas, treinamento E prevalência de lesões. Revista Brasileira DE Cineantropometria E Desempenho Humano. p. 277-282. 2008.

PILEGGI, P. et al. Incidência e fatores de risco de lesões osteomioarticulares em corredores: um estudo de coorte prospectivo. Rev. Bras. Educ. Fís. Esporte, São Paulo, v. 24, n. 4, p.453-462, out/dez. 2010.

TAUNTON, J. E; RYAN, M, B; CLEMENT, D. B; MCKENZIE, D. C; LLOYD-SMITH, D. R; ZUMBO, B. D. A prospective study of running injuries: the vancouver sun run “in training” clinics. Br J Sports Med. 2003;37(3):239-44.

UITENBROEK, D. G. Sports, exercise, and other causes of injuries: results of a population survey. Res Q Exerc Sport. 1996;67(4):380-5.

VAN MECHELEN, W. Running injuries. A review of the epidemiological literature. Sports Med. 1992;14(5):320-35.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 31 de maio
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 31 de agosto
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 30 de novembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.