EPIDEMIOLOGIA DAS INTERNAÇÕES POR INFLUENZA A, SANTOS, SÃO PAULO, BRASIL, 2009

Marina Iazzetti Sigueta, Thais Rumy Tanno, Luisa Nascimento Ruiz, Nayara Pereira de Santana, Natália Udi Araújo Carvalho Fanton, Cláudia Carneiro Bitar, Tulio Konstantyner

Resumo


OBJETIVO: o objetivo do presente estudo foi descrever as características dos pacientes internados com diagnóstico de gripe Influenza A (H1N1), durante a pandemia de 2009, e identificar fatores associados ao mau prognóstico.

MÉTODOS: estudo de delineamento transversal, que utilizou as informações das fichas de notificação do Núcleo de Vigilância Epidemiológica (NVE) e dos prontuários médicos assistenciais de 55 pacientes internados no Hospital Guilherme Álvaro de Santos (HGA), que apresentaram sorologias reagentes e confirmatórias de infecção aguda de Influenza. O pacote estatístico utilizado para a investigação das associações foi Stata 11.0, considerando-se estatisticamente significantes associações com p≤ 0,05.

RESULTADOS: febre (98,2%), tosse (78,2%) e dispneia (52,7%) foram os sintomas mais frequentes. A prevalência de internação em unidade de terapia intensiva (UTI) e óbito foram, respectivamente, 21,8% (10,6-33,1% - IC 95%) e 12,7% (3,6-21,8% - IC 95%). A análise bivariada mostrou que caso importado (p=0,018),  lactente (p=0,030), presença de dispneia (p=0,019) e radiografia alterada (p=0,004) foram fatores de risco para internação em UTI e caso importado (p=0,017), presença de dispneia (p<0,001) e radiografia alterada (p<0,001) foram fatores de risco para óbito.

CONCLUSÃO: a característica dos sintomas e as taxas de prevalência de necessidade de UTI e óbito se assemelharam as descritas em outras pesquisas, porém foi diferente daquelas que estudaram pacientes com vírus sazonal. Os achados sugerem a necessidade de estruturação efetiva da rede de atendimento referenciada e que a tomada de decisão terapêutica do profissional de saúde considere a dispneia e a radiografia de tórax como preditores do mau prognóstico.


Texto completo:

PDF

Referências


Chaves TSS. Infecções Respiratórias: Influenza A/H1N1(Influenza Suína). In: Focaccia R, Veronesi. Tratado de infectologia. 4ª edição. São Paulo: Editora Atheneu; 2009. p. 2249-56.

Wanderley MR, Sampaio GP, Negreiros MAMP, Casseb GB. Descrição epidemiológica dos casos de Influenza H1N1 em serviço médico terciário do Hospital de Urgências e Emergências de Rio Branco. Rev Bras Clin Med. São Paulo. 2011 jul-ago;9(4):279-82.

Garten RJ, Davis CT, Russell CA, Shu B, Lindstrom S, Balish A et al. Antigenic and genetic characteristics of swine-origin 2009 A (H1N1) influenza viruses circulating in humans. Science. 2009;325(5937): 197-201.

World Health Organization (WHO). Situation update - Pandemic (H1N1) 2009 [Internet]. WHO, 2010. [citado 2015 jan 29]. Disponível em: http://www.who.int/csr/disease/swineflu/updates/en/.

Ison MG, Lee N. Influenza 2010-2011: Lessons from the 2009 pandemic. Cleveland Clinic Journal of Medicine. 2010;77(11): 812-20.

Ministério da Saúde (BR). Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso: Influenza pandêmica (H1N1). 8 ed.rev. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Cavalcante NJF. Infecções Respiratórias: Gripe (Influenza) e Resfriado Comum. In: Focaccia R, Veronesi. Tratado de infectologia. 4ª ed. São Paulo: Editora Atheneu; 2009. p. 2233-7.

Morens, DM, Taubenberger JK, Fauci, AS. The persistent legacy of the 1918 influenza virus. N Engl J Med, 16 julho de 2009;361(3): 225-9.

PAHO, Pan American Health Organization. Pandemic (H1N1) 2009 [Internet]. PAHO, 2010. [citado 2015 jan 29]. Disponível em: http://www.paho.org/hq/index.php?option=com_content&view=article&id=2945&Itemid=2303&to=2005.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Protocolo de Tratamento de Influenza 2013. 1. ed[Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. [citado 2015 jan 29]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_tratamento_influenza_2013.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Protocolo de Vigilância Epidemiológica da Influenza Pandêmica (H1N1) 2009: Notificação, Investigação e Monitoramento. 1. ed[Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2010. [citado 2015 jan 29]. Disponível em:

http://www.famema.br/assistencial/h1n1/docs/protocolovigilanciaepidemiologica.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Situação epidemiológica da Influenza Pandêmica (H1N1) 2009 no Mundo e no Brasil, até a Semana Epidemiológica 47 de 2009. 11. ed.[Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2009 dez. [citado 2015 jan 29]. Disponível em:

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/chamadas/boletim_influenza_se_47_1263819672.pdf

Figueiró-Filho EA, Oliveira MLGO, Coelho LR, Souza BA. Infecção pelo vírus H1N1 e gestação. Femina. 2011;39(2): 169-75.

StataCorp 2009. Stata Statistical Software: Release 11. College Station, TX: StataCorp LP.

Kirkwood BR, Sterne JAC. Chi-squared tests for 2 x 2 and larger contingency tables. In: Kirkwood BR, Sterne JAC. Essential medical statistics. 2. ed. Malden, Mass: Blackwell Science; 2003. p. 165-76.

Peiris JS, Poon LL, Guan Y. Emergence of a novel swine – origin Influenza A virus (S-OIV) H1N1 virus in humans. J Clin Virol. 2009;45(3): 169-73.

Tumpey TM, Basler CF, Aguilar PV, Zeng H, Solórzono A, Swayne DE et al. Characterization of the Reconstructed 1918 Spanish Influenza Pandemic Virus. Science. 2005;310(5745): 77-80.

Canals LM. Análisis comparado de lá dinâmica epidemiológica de La Influenza A (H1N1) no Chile. Rev Med Chile. 2010; 138(9):1186-96.

Friedman MJ, Attia MW. Clinical Predictors of Influenza in Children. Arch Pediatr Adolesc Med. 2004;158(4):391-394.

Zyl, G. Laboratory Findings. In: Kamps BS; Hoffmann C. Peiser, W. Influenza report 2006. Paris: Flying Publisher; 2006. p.150-59.

Tumpey TM, Belser, JA. Resurrected pandemic influenza viruses. Annu Rev Microbiol. 2009;63:79-98.

Chang LY, Shih SR, Shao PL, Huang DT, Huang LM. Novel swine-origin influenza virus A (H1N1): the first pandemic of the 21st century. J Formos Med Assoc. 2009;108(7):526-32.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Influenza A(H1N1): Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil. 2. ed. [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2009 jul. [citado 2015 jan 29]. Disponível em: http://repositorio.h1n1.influenza.bvsalud.org/fileserver.php?fileid=1968

Suárez-Varela MM, González-Candelas F, Astray J, Alonso J, Garin O, Castro A et al. Pandemic Influenza A (H1N1) Infection in Pregnant and Nonpregnant Women in Spain (2009–2010). Jpn J Infect Dis. 2014;67(3):163-71.

World Health Organization(WHO). Pregnancy and Pandemic Influenza A (H1N1) 2009: Information for Programme Managers and Clinicians. [Internet]. World Health Organization, 2010 jul. [citado 2015 jan 29]. Disponível em: http://www.who.int/entity/csr/resources/publications/swineflu/h1n1_guidance_pregnancy.pdf?ua=1

Marthur S, Dubey T, Kulshrestha M, Agarwal H, Mathur G, Mathur A et al. Clinical profile and mortality among novel influenza A (H1N1) infected patients: 2009-2010 Jodhpur, Rajasthan pandemic. J Assoc Physicians India. 2013 sep;61(9):627-32.

Chawla R., Kansal S., Chauhan M, Jain A, Jibhkate BN. Predictors of mortality and length of stay in hospitalized cases of 2009 influenza A (H1N1): Experiences of a tertiary care center. Indian J Crit Care Med. 2013 sep;17(5):275-82.

Göya C, Yavuz A, Hamidi C, Çetinçakmak MG, Teke M, Hattapoğlu S et al. The role of initial radiologic and clinical manifestations in predicting the prognosis for pneumonia caused by H1N1 influenza virus. J Thorac Dis. 2014 Jun;6(6):752-9.

Reed C, Chaves SS, Perez A, D'Mello T, Kirley PD, Aragon D et al. Complications among adults hospitalized with influenza: a comparison of seasonal influenza and the 2009 H1N1 pandemic. Clin Infect Dis. 2014 Jul 15;59(2):166-74.

Kleinbaum DG, Kupper LL, Muller KE et al., “Applied regression analysis and other multivariable methods,” 4th edition. Brooks/Cole, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 31 de maio
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 31 de agosto
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 30 de novembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.