PRESENÇA DE OSTEÓFITOS, DE SACRALIZACAO DA QUINTA VERTEBRA LOMBAR (L5) E DE LOMBARIZAÇÃO DA PRIMEIRA VÉRTEBRA SACRAL (S1) EM SACROS HUMANOS ISOLADOS OU ANEXOS AOS OSSOS DO QUADRIL

Karyne Diogo Rizzi, Renato Ribeiro Nogueira Ferraz, Francisco Sandro Menezes Rodrigues, Paolo Ruggero Errante, João Victor Fornari, Anderson Sena Barnabé

Resumo


Introdução: A coluna vertebral é composta por 33 ossos sobrepostos denominados vértebras. São sete as vértebras cervicais, doze as torácicas, cinco as lombares, cinco as sacrais e quatro as coccígeas. Anomalias anatômicas podem ocorrer com certa freqüência na coluna vertebral. Tanto a quinta vértebra lombar pode se fundir ao osso sacro, caracterizando o processo de sacralização de L5, quanto a primeira vértebra sacral pode fazer parte da coluna lombar, caracterizando o processo de lombarização de S1. Ainda, a formação de osteófitos nos corpos vertebrais tem se mostrado um fenômeno bastante prevalente. Essas variações trazem aos indivíduos que as portam uma série de prejuízos à função normal da coluna vertebral constituindo, portanto, anomalias. Objetivo: Quantificar a prevalência de osteófitos, de sacralização da 5º. vértebra lombar, e de lombarização da 1ª. vértebra sacral em sacros humanos isolados ou anexos aos ossos do quadril. Método: Foram analisados todos os ossos sacros isolados ou anexos a pelves disponíveis nos ossários dos laboratórios de Anatomia de uma universidade particular da cidade de São Paulo - SP. As peças foram avaliadas individualmente quanto à presença de osteófitos, presença de sacralização da 5ª. vértebra lombar, e de lombarização da 1ª. vértebra sacral. Resultados: Das 79 peças avaliadas, 32,9% apresentaram osteófitos. Destes, 88,5% foram encontrados na 1ª vértebra sacral. A ocorrência de lombarização da 1ª. vértebra sacral esteve presente em apenas uma peça. Não foram observados sinas de sacralização da 5º. vértebra lombar. Conclusão: Os osteófitos apresentaram considerável prevalência na amostra estudada, sendo mais frequentes na 1ª. vértebra sacral. A fusão vertebral foi uma anomalia raramente observada na amostra de ossos estudada.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, D.B.; MATTEI, T.A.; SÓRIA, M.G.; PRANDINI, M.N.; LEAL, A.G.; MILANO, J.B.; RAMINA, R. Transitional lumbosacral vertebrae and low back pain: Diagnostic pitfalls and management of Bertolotti’s syndrome Arq Neuropsiquiatr, v.67, n.2-A, p.268-272, 2009

BARROS FILHO, T. E. P.; BASILE JR., R. Coluna vertebral diagnostico e tratamento das principais patologias. São Paulo: Sarvier 1995. 304 p.

BRADFORD, D. S.; LONSTEIN, J. E.; MOE, J. H. Escoliose e outras deformidades da coluna. 2.ed. São Paulo: Santos, 1994. 648 p.

CHAVARRÍA, P.R.M.; COLORADO, E.S.R.; DEL BARCO, L. E.; RODRÍGUEZ, R.G.; Localización de lesión de espina bífida oculta y diagnóstico de vejiga hiperactiva: estudio piloto, Mexico: Ginecol Obstet Mex, v.75, n.10, p.603-607, 2007.

COTRAN, R. S.; KUMAR, V.; ROBBINS, S.L. Patologia estrutural e funcional. 4.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan 1191. 1231 p.

COX, J.M. Dor lombar: mecanismos, diagnostico e tratamento. 6.ed. São Paulo: Manole, 2002. 751 p.

DÂNGELO, J.G.; FATTINI, C.A. Anatomia Humana sistêmica e segmentar. 3.ed. São Paulo: Atheneu, 2007. 763 p.

DRAKE, R.L.; VOGL, W.; MITCHELL, A.W. Grays’s. Anatomia para estudantes Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. 848 p.

GARDNER, E.; GRAY, D.J.; O’RAHILLY, R. Anatomia. Estudo regional do corpo humano. 4.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998. 828 p.

HENNEMANN, S.A.; SCHUMACHER, W. Hérnia de disco lombar: revisão de conceitos atuais. Rev Bras Ortop, v.29, n.3, p.115-126, 1994.

KAPANDJI, I. A. Fisiologia Articular. 5. ed. São Paulo: Panamericana, 2000. 253 p.

KNOPLICH, J. Viva bem com a coluna que você tem: dores nas costas, tratamento e prevenção. 2. ed. São Paulo: IBRASA, 1980. 230 p.

KNOPLICH, J. Enfermidades da coluna vertebral. 2. ed. São Paulo: Panamed, 1986. 452p.

MALONE, T.; MCPOIL, T.; NITZ A. J. Fisioterapia em ortopedia e medicina no esporte. 3.ed. São Paulo: Santos, 1997. 633 p.

MOLIN, E.D.; PUERTAS, E.B. Tratamento cirúrgico da hérnia discal associada à vértebra de transição lombossacra. Rev Bras Ortop,v.31, n.2, p.125-129, 1996.

MOORE, K.L.; DALLEY, A.F. Anatomia orientada para a clínica. 5.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007. 1142 p.

MORAES, G. Z. Lombalgia: Um estudo de prevalência na clínica de quiropraxia de uma instituição de ensino superior no vale do sinos - RS. 2007.77 f. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Quiropraxia) - Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS, 2007. Disponível em (http://ged.feevale.br/bibvirtual/Monografia/MonografiaGrasieleMoraes.pdf). Visualizado em 17/10/2011.

NUNES, C. V. Lombalgia e lombocitalgia: diagnostico e tratamento. Rio de Janeiro: MEDSI, 1989. 243 p.

OLIVER, J. Anatomia funcional da coluna vertebral. Rio de janeiro: Revinter, 1998. 325 p.

PINTO, J.A. Malformações da transição lombo-sagrada como causa de lombalgia: Contribuição da radiologia para a sua interpretação.1988. 291 f. Dissertação de doutoramento (Doutorado em Ciências Biomédicas) - Universidade do Porto, Porto, Portugal, 1989.

QUINTANILHA, A. Coluna Vertebral: segredos e mistérios da dor. Porto Alegre: Age, 2002. 135p.

SCHUNKE, M.; SCHULTE, E.; SCHUMACHER, U. Prometheus. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. 552 p.

SOBOTTA, J. Atlas de Anatomia Humana. 21. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

TORTORA, G.J.; Princípios de Anatomia Humana. 10.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan 2007. 1056 p.

WILLIANS, L,P.; WARWICK, R; DYSON, M.; LAWRENCE, H. Gray. Anatomia. 37.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1995. 1490 p.

ZAVANELA, M. P.; RIENTE, R.; MOREIRA, V.; FERNANDES, M.R.;OLIVEIRA, F.; Incidência de osteófitos na coluna vertebral Rev Med (São Paulo), v.87, n.2, p.148-53, 2008.

UNIVERSIDAD DEL PAÍS VASCO - ESPANHA. Informe relativo a la exhumación llevada a cabo en Vadoncondes (Burgos) con el fin de recuperar los restos humanos pertenecientes a seis personas ejecutadas en la Guerra Civil. 2004. Disponível em (http://www.sc.ehu.es/scrwwwsr/Medicina-Legal/vadocondes/vadocondes.htm). Visualizado em 07/11/2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 31 de maio
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 31 de agosto
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 30 de novembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.